Cidade para Pessoas

20120918-094230.jpg

Nesta manhã estarei num evento que debate o que considero ser o coração deste blog: a ideia de que São Paulo pode ser uma cidade mais plural, sustentável, justa, criativa e socialmente integrada.

Utópico? Talvez! Mas o fato de ver que a FecomercioSP realiza o encontro me fez perceber que não estou só neste sonho, tampouco nas ações em prol deste objetivo.

A conversa do São Paulo para Pessoas girará em torno dos exemplos de ações relevantes que contribuem para uma São Paulo melhor.

Um dos exemplos destacados pela produção é o de projetos como a Casa da Cultura Digital, que agrega iniciativas culturais como o Baixo Centro, propondo a ocupação cultural de espaços públicos. O jornalista Lucas Pretti, um dos palestrantes do evento, contará da experiência.

Apesar de não ter a mesma visão que ele – o jornalista afirma que São Paulo machuca as pessoas, mas minha experiência aqui sempre foi de liberdade, foi aqui que encontrei espaço profissional para atuar no que creio – concurso com a visão do pessoal da Casa da Cultura sobre as controvérsias culturais entre governo e cidadão, política e integração social, e gosto do seu trabalho que crê na realização da cultura individual, permitindo a troca de opiniões, ideias e projetos.

“As pessoas, associadas, fazem diferença, têm ideias melhores, lidam mais com suas alteridades, têm menos preconceitos, são mais criativas, se motivam, não são apenas mais um oprimido apertado no trem.”

O encontro, promovido pelo Conselho de Mobilização e Integração Comunitária da FecomercioSP, é baseado no projeto “Cidade para Pessoas”, da jornalista Natália Garcia, que defende uma cidade pensada para as pessoas, com áreas verdes e que garanta maior segurança aos pedestres.

Projetos culturais, além de gerar educação, respeito e integração social, também aquecem a economia.

Claro que devo contar boa parte do que ouvirei em tempo real. Acompanhe pelo Twitter @samegui.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook