CCBB SP tem Curta o curta no Almoço

“A mostra “Curta o Curta no Almoço”, uma realização do Centro Cultural Banco do Brasil com curadoria da Curta o Curta, exibe produções nacionais em sessões gratuitas de até 22 minutos de quarta a sexta-feira às 12h30, com reprise às 13h e às 13h30.”

Quem me lê sabe que adoro os espaços do CCBB né? Imaginem se eu deixaria passar a dica do “cineminha” na hora do almoço que eles estão programando o centro de São Paulo entre os dias 06/10 e 12/11? Consta que os organizadores reuniram obras de diferentes estilos, épocas e temas, garantindo uma visão geral da produção de curtas no país.

“São comédias leves, documentários premiados, filmes de suspense, filmes conceituais e animações. O cinema brasileiro é muito bem representado pelo curta-metragem nacional. A distribuidora Curta o Curta está completando cinco anos de atuação, enquanto o site Curta o Curta completa 10 anos. Montamos uma programação de qualidade para o curta conquistar o público de São Paulo”, conta Marcus Mannarino, sócio da Curta o Curta e um dos organizadores do evento. “Esta iniciativa é um convite ao paulistano para fazer uma pausa na hora do almoço e apreciar filmes de qualidade, gratuitamente, no centro histórico da cidade”, reforça Marcelo Mendonça, diretor do CCBB São Paulo.

Dentre os 34 títulos selecionados estão filmes com novos talentos como Blackout (2008), de Daniel Rezende, que mostra o final do expediente de um assessor de deputado e um suplente. A obra de 10 minutos, estrelada por Wagner Moura e Augusto Madeira, conquistou mais de 20 prêmios em mostras e festivais no Brasil.

Há também clássicos como “Ilha das Flores” (1989), de Jorge Furtado, filme que mostra como a economia gera relações desiguais entre os seres humanos. Em 1995, o curta de Furtado foi eleito pela crítica especializada europeia como um dos 100 mais importantes curtas metragens do século XX. Foi vencedor de 18 prêmios em importantes festivais e mostras nacionais e internacionais, como no 40º Internacional Filmfestival, em 1990, agraciado com o Urso de Prata para curta metragem em Berlim (Alemanha).

Antonio Fagundes poderá ser visto no filme “Barbosa” (1988), de Jorge Furtado e Ana Luiza Azevedo, uma ficção que mostra a tentativa de um homem que volta no tempo para tentar impedir que o goleiro da seleção brasileira tome o gol que acabaria com a sua carreira na final da Copa do Mundo de 1950. No ano em que foi produzido, o curta faturou o prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Cinema de Brasília.

Os melhores roteiros do mundo e que nunca foram rodados dão o tom da comédia “Os filmes que não fiz” (2008), de Gilberto Scarpa. O curta mostra, de forma divertida e cínica, a filmografia de um diretor sem filmes. A produção foi, por 13 vezes, premiada no Brasil, além de ter vencido o prêmio de Melhor Curta (júri popular) no Brazilian Film Festival of Toronto (2008).

A mostra “Curta o Curta no Almoço” tem entrada gratuita mediante retirada de senha na bilheteria que tem capacidade de 70 lugares e acontece de quarta a sexta às 12h30, 13h e 13h30 no Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Álvares Penteado, 112, São Paulo, nas proximidades das estações Sé e São Bento do metrô) .

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook