cidadania / destaque / educação

Sabem por que eu apoio a campanha #semtrabalhoinfantil?

Porque não vejo nada positivo numa situação como esta do vídeo que denuncia crianças em Recife cujo cotidiano é catar latas na imundície do Canal do Arruda, em Recife:

É preciso falar, tirar o tema da invisibilidade, e claro, cobrar politicas públicas.

Só não dá para achar que nada está acontecendo!

Nos nossos tradicionais papos às quintas-feiras à tarde na fanpage do Pró-Menino muitas vezes ouvimos gente falar que “melhor trabalhar do que roubar” ou “trabalhei quando criança e estou aqui, bem”, mas a verdade é que buscamos um novo mundo – e é possível, desde que as leis sejam cumpridas.

E neste novo mundo justo para todos, não podem caber casos como este do vídeo! Nem pode caber adolescentes que precisam abandonar a escola porque o trabalho, que deveria ser feito em condições protegidas (como aprendiz legal) sintam-se forçados a abandonar a escola e perder oportunidade de se tornar cidadãos mais preparados e por isso melhores.

Por isso, convido todos vocês a se juntarem a nós compartilhando, comentando e se aprofundando neste tema que sim, “É da nossa conta!”.

é da nossa conta 2013

Entramos nesta semana na reta final da campanha de 2013, mas a atuação no cotidiano para tirar da invisibilidade (ou seja, tornar conhecidos tanto casos de exploração, quanto alternativas e leis) não acaba enquanto tiver alguma criança em situação que não seja a ideal.

E qual é a situação ideal e justa?
Podemos começar imaginando para todas as crianças e adolescentes as condições mínimas que desejamos para nossos filhos, sobrinhos, netos, amigos.

Todas as crianças e adolescentes merecem ter as melhores condições e é nosso dever cobrar do Estado e da sociedade que este “incômodo” seja resolvido em suas raízes, efetivamente e para sempre.

É nossa conta conta!

P.S. Quer ser parte dessa força? A campanha deste ano acaba, mas o esforço, não. Faça como eu, não tire férias deste desejo de ver um mundo melhor. Seja um capacitador na sua região também, disseminando informações sobre o trabalho infantil na sua cidade ou mesmo entre seus amigos nas redes sociais. Ao agirmos juntos, somos melhores!

Você pode gostar também de ler:
Como envolver os estudantes nas decisões da escola e promover uma cultura de participação?  Nesta
Salvem este nome: Celina Turchi. Ela ganhou o prêmio Prêmio Péter Murányi pelo levantamento inédito

[caption id="attachment_61406" align="aligncenter" width="500"] (Foto: @zhenhappy)

Imaginem que uma pesquisa investigou como valores culturais são transmitidos nas
(Foto: Štefan Štefančík @cikstefan no unsplash) Nesta semana, a Fuvest divulgou o
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas