Brasil animado e Anima Mundi

Ver animações brasileiras em destaque no cinema, na TV e em festivais é uma das coisas que me deixa feliz e orgulhosa. Começa hoje em Sampa a 18a edição do AnimaMundi, o Festival Internacional de Animação do Brasil. Criado em 1993 por Aída Queiroz, Cesar Coelho, Lea Zagury e Marcos Magalhães, o “encontro” tem a intenção de informar, formar, educar e entreter utilizando as infinitas possibilidades da linguagem de animação. E ao festejar sua maioridade (são 18 anos de sucesso), ele comemora também o fato de ser o segundo maior festival da área do mundo, perdendo apenas para o de Annecy, na França (um senhor festival, que tem cinco décadas de história).

Não é fácil ganhar o mundo deste jeito, mas, aqui entre nós, os brasileiros conseguem. Nomes como Maurício de Sousa e Ziraldo nos mostram como é possível fazer animação e conversar com o público infantil (ou até adolescente, como mostram os mangás da Turma da Mônica Jovem) sem perder o jeito local, mantendo a identidade com nossa cultura sem cair em esteriótipos chatos e antiquados, mantendo-se antenado no que acontece no mundo. Outros, como Fábio Yabu, responsável por outra animação nascida no Brasil de sucesso internacional, as Princesas do Mar, optam por mostrar a infância independentemente das cores locais. E ao conferir o excelente trabalho que eles fazem podemos provar para os nossos futuros desenhistas, produtores, cinegrafistas, diretores de animação e empresários culturais que é possível ser bem sucedido e ganhar o mundo sem esquecer de onde viemos.

Há alguns meses eu e meus filhos tivemos a honra de conversar com toda equipe do estúdio de Mariana Caltabiano para ver, ao vivo e a cores, como são feitos os desenhos que veiculam no canal Cartoon Network. Foi uma manhã divertida e imensamente feliz para meus meninos, especialmente para Enzo, que sonha em ser desenhista e vive inventando seus próprios personagens. E lá pudemos ter uma sessão cinema com os episódios da série “Gui e Estopa no Fundo do Mar”, misto de animação e cenas reais – e faz uma educação sustentável sem ser chata. Além da TV a cabo, As aventuras de Gui e Estopa estão disponíveis para as crianças num site com atividades infantis online.

No AnimaMundi 2010 Mariana Caltabiano divulgou oficialmente seu novo projeto: o primeiro longa brasileiro em 3D, Brasil animado, estrelado pelos personagens Stress e Reléx, que são dois produtores de animação. Na visita ao estúdio os meninos puderam ver a animação 3D sendo feita e acompanharam parte da viagem de Stress (estressado, investidor, o cara da grana) e Reléx (o cara das ideias) em sua busca por um tesouro brasileiro. No filme as crianças terão, além da tal sensação 3D de se estar dentro do filme, a chance de viver isso numa história na qual suas paisagens, sua realidade e sua vida estarão retratadas com a mais alta tecnologia. O filme estreia no final do ano e já estamos ansiosos para ver.

Se você também adora animação, veja aqui a programação paulista do evento, que acontece entre os dias 28/07 e 01/08 no Centro Cultural Banco do Brasil e no Memorial da América Latina.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook