entretenimento

O termo mameluco sempre me levou a divagações. Talvez por eu não ser branca, negra ou índia, encontrando um espelho no que é misturado e indefinível – o que me faz pensar no termo com certa simpatia. Quem se lembra da definição de mameluco que aprendemos na escola? É uma mistura de branco e índio? E se for mameluco afro brasileiro? Negro que não é negro, um branco que não é branco, índio que não é índio, um brasileiro.

Revivi estas reflexões a partir de um release que recebi avisando do lançamento do CD do cantor e compositor paulistano Wesley Nóog que tem este nome, “Mameluco Afro Brasileiro”. Funk, Soul e Samba conversam no CD que se inspira no povo brasileiro e pode ser baixado no site da produtora. Fui pesquisar o termo na internet e achei este vídeo do Lênine cantando Leão do Norte em que também se diz mameluco. Não seremos todos nós?  Nóog lança o CD num show neste Dia da Consciência Negra e como ele mais gente usa a música para se manifestar nesta data. Um evento gratuito na Praça da Sé promete vários shows para celebrar a diversidade e as raízes negras da nossa sociedade, com Virgínia Rodrigues às 10h, Rita Ribeiro, Jussara Silveira e Teresa Cristina (Meninas do Brasil) ao meio-dia e Fabiana Cozza (16h), Banda Black Rio (fazendo um tributo a Tim Maia, às 18h), a dupla Seu Jorge & Paula Lima (20h) e DJs nacionais e internacionais, entre eles Mzuri Sana e Rah Digga. E na véspera do feriado a  hip-hopeira Kelis se apresentarou no Memorial da América Latina com hits como “Caught Out There”, “Milkshake” e “Bossy”. 

O feriado é marcado pela valorização da cultura negra, mas o Dia da Consciência Negra deve ser uma ocasião para conscientização pós-racial – mais do que discutirmos raças, é tempo de discutirmos a colaboração e interação entre as diferentes etnias de nosso país. Um bom momento de reflexão sobre os papéis que todos nós desempenhamos na sociedade – e que deveriam estar cima de raças e credos.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas