Família Barbapapa


Ontem, no Nokia Social Media Connections – evento sobre o qual devo escrever longamente mais de um post – Juliano Spyer comandou uma youtube session nostálgica e, ao final, nos deixou um convite-provocação para refazermos nossas próprias lembranças utilizando os recursos multimídias das redes sociais.

Como passei um domingo totalmente dedicado à minha família, aproveitei para rever o vídeo que mais me marcou ontem, do desenho animado Barbapapa. Veiculado na TV Globinho, é minha lembrança mais antiga de programa de TV – eu não tive influência da Vila Sésamo, que conheço só agora na companhia de meus filhos – e do quanto fui fã da Paula Saldanha. Como ela era jornalista, às vezes me parece que uma das inspirações para minha profissão veio dela.

Não sei dizer quantas vezes desenhei a mamãe Barbapapa (e deve vir dela minha paixão por roupas pretas) e o quanto achava lindo seu jeito carinhoso com o papai Barbapapa e os filhos Barbabelle e outros – não lembro do nome de todos. Mas fui no wikipedia para tentar saber mais:

Descobri lá que a família foi criada em Paris pela arquiteta francesa Annete Tison e pelo professor americano Talus Taylor no ano em que nasci. “Barbapapa” é inspirado no francês para “algodão doce” e o primeiro personagem, o papai cor-de-rosa, tem forma de “joão-bobo” mas é esperto e consegue mudar de forma  assumindo o que quer ou precisa. Mais tarde vieram Barbamama e mais sete filhotes dotados de cor e habilidade específica, geralmente explicitada em seus nomes, sempre iniciados com “barba-“, assim formando a família Barbapapa.

Nunca vi os livros, mas fiquei com uma vontade enorme de tê-los para ler em francês com os meninos sobre as habilidades pessoais e polimórficas que resolvem problemas e ajudam pessoas. Aqui, como comentei, eles ficaram conhecidos pela TV Globinho no final dos anos 1970, e há registros de que livros de atividades e até um disco com suas músicas foram lançados com sucesso n Brasil. A série de TV, uma co-produção da Holanda e Japão, teve 45 episódios.

Para provar a teoria do Juliano de que o filme é tão intuitivo e toca tanto ao coração através das memórias que conseguimos entender indepentende do idioma, assistimos um dos episódios em alemão com os meninos.

Aliás, eles estão amando nossa sessão youtube familiar! E Gui lembrando de vários episódios da nossa infância. 🙂

 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook