Azul X rosa, brinquedo de menino e coisas de menina…

O papo, que ainda causa polêmica, surgiu num grupo de mães motivado por um post do blog Nossa Alegria.

Menino brinca de boneca e menina brinca de carrinho?

Aqui sempre estimulamos o convívio com amigos meninos e meninas e de idades diferentes. Meu marido é um super pai e um tio querido, os outros pais da família tb, portanto, se os meninos resolvessem ninar uma boneca seria até natural pelo exemplo de cuidado, carinho e parceria dos homens da família. Eu tive algumas bonecas que eles quiseram me dar (para completar suas coleções), como a Boo de Monstros SA e Jessie de Toy Story e sempre ficaram na caixa de brinquedos, sem restrição. Mas não foi isso que os encantou, na idade do filho da Dina (autora do post) e dos da Loreta (uma das mães que comentou lá), por volta de 2 a 4 anos, eles quiseram fogão e panelinha. Minha mãe quis comprar e achou brinquedos amarelo e azul, foi divertido e em meses passou, eles mesmos deram pras primas mais novas. Hoje os dois, #aos10 e #aos12, cozinham (e mandam bem), adoram inventar coisas com o pai, que tb cozinha mega bem. Como meu pai sempre foi o “churrasqueiro voluntário” nas festas de interior, eu acho tudo normal.

Leia também: Ué, papai também usa avental! (por @cristianoweb)

E creio que a nenê que espero agora vai brincar de carrinho porque vê todas as mulheres da família dirigindo bem, vai brincar de trabalhar e de cuidar da casa e vai crescer com a mesma relação de diversidade natural, de direito de escolha e de experimentação que fez dos irmãos meninos pessoas livres para firmarem suas personalidades. Eu já tinha comentado parte disso num post antigo – Menino, menina ou apenas criança? – no qual eu reagia à perseguição por uma demonstração de gênero nas crianças pequenas.

Enfim, assunto para conversarmos e esclarecermos, dando boa formação e direito de escolha para estes nossos pequenos queridos!

Posts relacionados:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook