a vida quer / Crescidinhos / destaque / Destaque Mãe / relacionamentos

20140220-235218.jpg

Não sei se é a minha mania de sempre procurar uma “moral para a história”, mas fiquei pensando sobre um monte de coisas quando assisti As Aventuras de Peabody & Sherman. 

O filme baseado em um desenho americano dos anos 60 é a mais nova animação da Dreamworks. Conta a história de um cachorro super inteligente (chegou a ganhar um Nobel, pense) que resolve adotar um menino que achou abandonado na rua, e dar a ele a família que não teve. 

E o que um bom inventor mais curte? Dividir com os outros as suas descobertas. E para que seu filho possa ver de perto os principais acontecimentos históricos da nossa humanidade, Peabody cria então uma máquina do tempo e leva o menino para cima e para baixo no espaço/tempo. Já deu para ver que o que não faltam são aventuras não é mesmo? 

Mas lembra quando lá no começo do texto eu falei que fiquei pensando em um monte de coisas?  

O Peabody quando filhote não foi adotado por nenhuma família, e sabe por que? Porque não atendia aos padrões de comportamento que se espera de um cão. Será que é diferente do que acontece na vida real? E não estou falando de cachorros. 

O Sherman crescia feliz, mas em uma família também fora dos padrões, por isso foi alvo de piadas na escola e de estranhamentos. Havia quem dizia que o Peabody (apesar do gênio reconhecido que era), não tinha condições de criar uma criança. 

Só eu achei o plano de fundo um debate super atual? 

Veja bem, não estou defendendo que um cachorro adote uma criança, só para deixar claro, mas proponho uma reflexão do quanto temos dificuldades de aceitar o que foge aos padrões da “normalidade”, ou ao que questiona as nossas certezas. Será que muitas vezes não somos como a Penny?

Você pode gostar também de ler:
Madame, da California Filmes, se tornou um filme especial: é o primeiro que estamos combinando
É de praxe ver listas pelas redes sociais de filmes e séries legais que estão
"Meus avós já estavam casados há mais de cinqüenta anos e continuavam jogando um jogo
Apaguei um update no meu perfil pessoal do Facebook nesta manhã. Era um link no
Neste ano perdi um relacionamento da vida toda e que só ao terminar me mostrou
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas