Eu apoio o empreendedorismo materno

“Empreendedorismo materno para mim é um universo maluco onde você sempre tem mais coisas a fazer do que tempo disponível. Um pacote bem grande onde entra família, filhos, casa, negócio, planejamento, operacional, gato, cachorro e facebook. É tudo ao mesmo tempo!”
Grace Barbosa, do Mãezíssima

eu apoio o empreendedorismo materno

Curiosamente, apesar de ter começado meu atual negócio a partir de meu blog sobre consumo de cultura em família, eu nunca fui a mãe empreendedora que mistura tudo como na descrição de Grace que abre o post.

Montei meu home office quando estava grávida do meu primeiro filho, em 2000, mas já como um espaço separado no corpo da casa, com os equipamentos e livros lá, num local que eu “fechava” fora do horário de trabalho e que só depois de muito tempo passou a ter também um cantinho para os meninos desenharem, montarem quebra-cabeças e lerem. As atividades que eles faziam também já deixavam claro que era um lugar diferenciado.

Continuei assim, sempre atuando na comunicação (sou jornalista por formação e atuo na área desde 1995), mesmo com os meninos maiores, fechando a porta do escritório de casa quando precisava e tentando separar os horários de produção para quando eles estivessem na escola ou sob os cuidados da minha ajudante. Em 2003 tive escritório fora, achei cansativo e recuei. Mas, quando o marido passou a ser meu sócio na empresa que criamos para atuar no engajamento de stakeholders com os valores de marcas e de ações institucionais, ficou complicado não ter um local externo porque a gente não separava os assuntos de trabalho da vida em família. Para nosso bem e qualidade de vida, desde 2010 temos escritório montado com uma equipe presencial trabalhando todos os dias, mas que fica a poucas quadras de casa.

Tudo organizado e vem a vida a nos pregar peças e trazer novos desafios!

Em 2012 fiquei grávida, dez anos depois do nascimento do segundo filho, quando a gente já não sonhava mais em aumentar a família. Em meio a um turbilhão, de imensas alegrias (é uma menina!), me vi diante da questão do bebê e do trabalho. Como conciliar?

Finalmente me tornei a mãe empreendedora que carrega o filho pro trabalho e faz tudo junto e misturado. Exatamente aquela que Grace cita no seu convite para a blogagem coletiva Eu apoio o empreendedorismo materno.

“Esse é um convite especial para você que apoia o empreendedorismo materno. Não importa se tem um blog sobre maternidade ou paternidade, nem mesmo se é pai ou mãe. O importante é fazer parte desse grupo de pessoas que apoiam as mães que tem negócio próprio e que se desdobram para conciliar trabalho e maternidade.”

Vale lembrar, como falamos em Por ser menina e em tantos outros posts:

Quando a mulher empreende ela melhora não apenas sua condição de vida, mas a de todos ao seu redor: sua família, sua comunidade, o mundo.

empreendedorismo materno

E amanhã, 21/09/2013, três eventos em promoção ao empreendedorismo materno irão acontecer simultaneamente em Curitiba, Florianópolis e São Paulo. Atrair a atenção do público para esses eventos é uma forma de contribuir e apoiar o movimento. Em Curitiba irá acontecer a 3ª Feira do Empreendedorismo Materno de Curitiba, promovida pelo Maternarum. Em Florianópolis irá acontecer oBazar coisa de Mãe e em São Paulo o encontro entre mães promovido pelo blog Empreendedorismo Materno.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.