Android, Windows Mobile, Symbian – mobilidade é tudo!

Uma notícia na Época desta semana me lembrou um post já começado aqui sobre o Android, sistema operacional de smartphones baseado no Google. A matéria de Bruno Ferrari lembrava que quando estes aparelhos (verdadeiros computadores de mão) surgiram no começo da década de 2000 todo mundo apostava que a Microsoft dominaria o mercado, mas não foi bem assim. A previsão se mostrou um sofisma (falso silogismo, quando a gente relaciona 1 e 2 e o resultado não é bem 3).

O Google chegou há pouco nesta brincadeira, mas está indo bem. Pelo menos é o discurso de Eric Schmidt, CEO do Google e principal palestrante da Mobile World Congress em Barcelona, na Espanha. Ele apresentou novos recursos para o Android e o mais aplaudido foi a compatibilidade do sistema com o Flash, que permite assistir a vídeos e até jogar games. Vital, mas que até então falhava em vários aparelhos ditos “de última geração”. Recursos de reconhecimento de voz e de imagens para buscas também agradaram, permitindo a “leitura” das informações e reconhecimento da imagem, trazendo como resultado websites relacionados ao que se solicita. Outra novidade que pode agradar os viajantes é o tradutor, que processaria a imagem de um texto fotografado, escaneando-o e traduzindo-o para a língua desejada. Imaginem como ficaria mais fácil ler placas de avisos, instruções em metrôs e informações em museus! (e se você acha que quem fala inglês não precisa disso, experimente viajar para Praga ou Tokyo)

O CEO do Google acredita que com o poder computacional que os smartphones ganharam nos últimos anos e com a possibilidade de acessar e compartilhar informações nas nuvens, as chances de gerar dinheiro com aplicações móveis são infinitas. Segundo sua visão, a regra para todos os negócios deve ser “primeiro a mobilidade” (mobile first). Mas para chegarmos a isso, num país como o Brasil, ainda precisamos ter uma boa rede ou acabaremos, como alertava a matéria de Bruno Ferrari, num engarrafamento celular. Estudos mostram que na Europa, mesmo com a crise econômica, houve um crescimento de 158% no consumo de dados desde 2008. O crescimento no Brasil também anima o mercado, mas o faz pensar em formatos que não tornem o acesso 3G inviável comercialmente, nem desanime quem pensa usar a internet com mobilidade real.

P.S. Na Campus Party eu usei por uma semana um aparelho baseado no sistema Android, o Samsung Galaxy. Confesso que não deu tempo de descobrir muita coisa lá (nem testei como telefone porque já o recebi com chip 3G e usei-o mais como câmera e computador de mão mesmo. Mas notei que as funcionalidades são muitas e que a facilidade de poder “baixar” programas para melhorar a performance é tudo num aparelho! Eu já tinha comentado, quando testei o Jét (que funciona num sistema fechado, sem permitir mudanças nos programas) que sentira imensa falta. O sistema Symbian, que tem no Nokia que eu uso, é interessante porque permite estes acréscimos que facilitam a vida do usuário, um avanço em relação ao meu primeiro smartphone (de 2006) que usava Windows Mobile 6 e era mesmo um bom computador de mão, mas um celular que deixava a desejar se não estivesse usando os aplicativos oficiais da Microsoft (e relembrando, eu admito, ainda sinto falta da possibilidade de editar planilhas, criar documentos em word e sincronizar perfeitamente minhas agendas de endereços e de compromissos com o computador).

[Se você quer ver um review do Galaxy, o pessoal da Info pode ficar mais tempo que eu com o aparelho e fez um texto completo.]

P.S. Mais dois posts sobre o mesmo tema: Conteúdo móvel e acessível: Apps proliferam na Europa e a Changing Models: A Global Perspective on Paying for Content Online.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook