Amigos do Planeta – a blogagem coletiva chegou ao fim

[Notem no vídeo quando um dos alunos diz: “na minha família tem muitas pessoas que não sabem nem escrever direito, e isso [usar o computador] é motivo de muito orgulho para mim!” Esta é a síntese do que o projeto pode oferecer para estas pessoas. E uma das senhoras conta que já está até ensinando, ou seja, multiplicando a rede de conhecimento e de inclusão!]

Chegou ao fim a blogagem coletiva da inclusão digital eu apoio, que este blog promoveu de setembro a dezembro de 2009. A ideia, que tomou forma depois de uma visita ao projeto das Casas Bahia Amigos do Planeta, na companhia dos blogueiros @manularagnoit, @andyzeo, @cybelemeyer, @boombust, @gnsbrasil, @lidifaria, @doduti, @bebendo e @poperotico, foi de convidar entusiastas do terceiro setor para contar de ações semelhantes que aconteciam em suas regiões, nas empresas em que trabalham (como fez @smiletic com o Digitando o Futuro), nos nichos em que atuam.

Se eu falar que comecei sem expectativa seria falso. Mas a verdade é que, se no achamos que seria suficiente planejar um post semanal durante os meses da campanha, nos surpreendemos com adesões incríveis que nos permitiram ter dois posts por semana durante os meses de setembro, outubro e novembro. Em dezembro, mês que fecha esta blogagem e no qual eu pensara em ter a adesão de blogs de fora do Brasil para contar, no final do ano, como a coisa poderá ser quando alcançarmos um nível de inclusão digital que nos deixe mais iguais, acabou sendo o de uma grande preocupação com os rumos que a inclusão vai tomando com o tempo.

Idosos passam a ser usuários, crianças ensinam os pais a usar o computador. E acima de tudo, hoje, graças à inclusão que chegou antes na mobilidade, sabemos quando há desmandos e erros no uso e no descarte de aparelhos em nosso país. Tudo isso nos torna cidadãos mais conscientes e consequentemente mais preparados para aproveitar as inúmeras vantagens que a internet nos traz.

Mas, acima de tudo, a blogagem coletiva da inclusão digital foi uma oportunidade, para mim e para quem esteve pessoalmente em alguns dos projetos – como fez @alinekelly com o Espaço Social Oxigênio- de conhecer o lado humano da tal inclusão e @matofino com o IPEC e com a Faculdade Cantareira. Muita gente fala, sem pensar, na “maldita inclusão digital“, que populariza a passos largos este espaço que já foi tão elitista – sim, a internet já foi lugar de “quem podia” – e esquece que do outro lado das telas estão pessoas. A chance de ver pessoas, seres humanos como nós, descobrindo um novo espaço para exercer sua cidadania, redescobrir valores e florescer talentos é uma oportunidade que deve ser dada a todos. É certo, como afirmaram @kakah e @blogdati em suas participações (ambas já foram instrutoras de projetos de inclusão digital), há que se ter educação junto com a inclusão – e este apoio aos educadores foi tema dos posts de @cybelemyer e @alinedexheimer, que fez um jornal sobre o tema da nossa blogagem. Mas a educação vem da chance de se inserir todos nas maravilhas que o mundo descobre e oferece aos seus habitantes.

E dentre estas maravilhas, garanto, estão pessoas. O que eu levo como “legado” da participação nesta blogagem coletiva é um capital humano incrível. Nas visitas ao projeto Amigos do Planeta – e as Casas Bahia tem que se orgulhar e merece se ufanar de promover no ABC paulista – eu conheci, conversei, troquei com pessoas maravilhosas. Dos alunos de várias idades que descobriam talentos inesperados nas aulas do caminhão itinerante aos idealistas e generosos instrutores contratados, todos são uma fortuna que eu sinto que acumulei neste segundo semestre de 2009. Como a fotógrafa e a redatora do blog do projeto, eu pude descobrir uma nova São Paulo, tão grande quanto sua área e seu PIB, composta de gente que vai fazer diferença e que merece a chance de ingressar com força no universo digital.

Há bons projetos patrocinados e mantidos pelos governos, como citou @veriserpa com o Proderj, a @simonezelner com a coleta da prefeitura de Curitiba, a @nubibella com o Abraço goiano. Quisera outras empresas passassem a oferecer – e a ir ao encontro dos que querem receber suas “ofertas” – como tem feito esta loja tão popular e tão arraigada na nossa realidade.  Passei a ser fã do trabalho – que, como eu disse no começo deste trabalho, vai da inclusão digital e social ao cuidado com os descartes do lixo tecnológico e de sua embalagem – promovido pelos Amigos do Planeta, que sabem que o lugar onde vivemos é feito de coisas, mas acima de tudo de pessoas – aliás, este foi o mote do post da @miparente na blogagem. 😉

Agradeço imensamente aos que colaboraram, tanto com posts em seus blogs, quanto com retuites e com a leitura de nossos textos neste período. E no meu coração espero sinceramente que nossas descobertas tenham feito com que mais gente descobrisse que a inclusão digital só é “maldita” se não focar no que há de bom e merecedor nas pessoas. Quando ela é feita para valorizar o que temos de bom como “gente”, ela é sim, bendita. E benditos sejam os que se envolvem com ela.

P.S. Comentário bem família: há outro motivo para estimularmos muitos pais a se inserirem como usuários ativos de computador. Como disse @maitelemos em seu post, As redes sociais não são playground.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.