destaque / relacionamentos

o caminho do meio

Tive uma longa conversa em família sobre esse vídeo, que vi logo depois de desabafar com meu marido como me sinto feliz por nosso cotidiano simples e a rotina da vida com quem amo, mas me ressinto do desconforto que é a multidão ao meu redor desejando sempre mais, por vezes até incomodada porque eu não estou ansiando por mais viagens ao exterior, mais jóias, mais sapatos novos de boas marcas, um carro maior, etc e tal. Incrível como a gente nada contra maré para ser feliz né? Se não conseguimos ouvir nossa interioridade, facilmente reagimos a quase tudo como se fosse uma necessidade premente e urgente, sem considerar que raramente essas coisas que não temos mal são uma opção a considerar.

Não sou budista, mas da religião dos meus avós japoneses eu aprendi um segredo fundamental: usar a medida do Caminho do Meio, sem extremos. E das sutras budistas que Batian entoava diariamente incorporei a ideia de que tudo é passageiro, por isso tudo tem sentido e ao mesmo tempo nada tem valor em si maior do que a alegria genuína de viver cada minuto.

🙂

O QUANTO SOMOS IMATUROS E INFANTIS?

Por Tenzin Palmo

 

E vale explicar um pouco mais do Caminho do Meio, o termo que Siddhartha Gautama (o príncipe da região do atual Nepal que se tornou professor espiritual e chamamos de Buda) usou para descrever o caráter do Nobre Caminho Óctuplo descoberto por ele e que leva à libertação. É um importante princípio orientador da prática budista.

No Maaiana Budismo, a maior das duas principais tradições do budismo existentes hoje em dia, o Caminho do Meio refere-se ao conhecimento sobre o vazio (Sunyata) que transcende declarações opostas sobre a existência.

Caminho do Meio tem outras várias definições:

  • A prática de não-extremismo: um caminho de moderação e distância entre a auto-indulgência e a morte;
  • O meio-termo entre determinadas visões metafísicas;
  • Uma explicação do nirvana (perfeita iluminação), um estado no qual fica claro que todas as dualidades aparentes no mundo são ilusórias.

Estatísticas