A militância por um mundo mais justo para todos #diadamulher

“Minha militância por um mundo mais igualitário é formar homens que saibam conviver em sociedade com correção e justiça. Os meus filhos, que seguem o exemplo de meu marido e dos outros homens da família, que sabem valorizar as pessoas pelo que elas são e pelo que fazem de suas vidas. A verdadeira militância é viver a vida dentro dos princípios que defendemos.”

Jasmim que ganhei do filhote #aos8

Neste Dia Internacional da Mulher me envolvi num papo no Twitter sobre o valor de relembrar o 08/03/1911 e a luta das primeiras mulheres a encarar várias jornadas de trabalho, dentro de fora de casa, que teve como ápice a greve das operárias da indústria têxtil contra a fome, cujo massacre resultou neste dia para lembrar a importância da igualdade de direitos.

Ao responder à @tarsila e @gabibianco porque eu não me considero feminista (me considero um pouco sim, tenho orgulho porque entre os posts mais buscados no @avidaquer estão textos sobre Lei Maria da Penha e outros direitos da mulher pelos quais toda sociedade deve lutar sempre), conclui que eu não quero discutir se sou ou não, acho perda de tempo, prefiro a conscientização do dia a dia ao título.

Neste dia do centenário desta luta que foi tão importante no século XX e, felizmente, perde importância e sentido conforme conquistamos espaço e direitos neste século XXI, deixo aqui meu desejo de que demonstremos no cotidiano que as lições da luta registrada em 08/03/1911 de valorizar a vida, criar oportunidades para todos e que unir forças para construir um futuro mais justo e digno perdurem em nossos corações e mentes. E que, neste caminho, não deixemos de lado o amor e a capacidade humana (e aqui fica minha crítica a quem enaltace como femininos os sentimentos de amor de que o ser humano é capaz) de amar, acolher e entender o próximo.

P.S. Posts sobre violência doméstica aqui no blog nos últimos anos:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook