educação

Passei meio trabalhando, meio monitorando a garotada que fazia trabalho de grupo.

Vocês se lembram do ginásio, quando a gente se reunia para fazer trabalhos assim? Pois eles eram um exercício para a vida profissional, para o colaborativismo, trabalho em equipe, foco no objetivo e gestão do tempo.

O que a gente não teve é esta mescla de novo e velho jeito de estudar: os meninos usaram livros para pesquisar, mas também a wikipedia (a TV ligada era na verdade o monitor coletivo para usarem a internet juntos) e fizeram as anotações direto no ppt no Google Docs para poderem complementar de casa depois… e me diverti no lanche (tem que ter comida em reunião de trabalho desta família, né?) quando eles combinavam que se encontrariam toda noite pelo Facebook Chat para combinar os detalhes da finalização do projeto, que precisa ser entregue em menos de uma semana.

Conheço muito adulto que não consegue organizar trabalho remoto com tanta eficiência, viu?

(risos)

E sobre meu papel neste dia: que difícil é, para quem coordena equipe e trabalha com conteúdo, ficar de fora e não poder atuar em nada. Mas se é fácil cair na sedução de controlar, a verdade é que os filhos precisam ser estimulados na autogestão de suas vidas. Espero conseguir sempre permitir este espaço para os meus meninos!

🙂

E você, como reagiria no meu lugar? Que sugestões daria para este novo modelo de trabalho em equipe que usa e abusa da internet? Conte aí nos comentários!

Você pode gostar também de ler:
Como envolver os estudantes nas decisões da escola e promover uma cultura de participação?  Nesta
Salvem este nome: Celina Turchi. Ela ganhou o prêmio Prêmio Péter Murányi pelo levantamento inédito

[caption id="attachment_61406" align="aligncenter" width="500"] (Foto: @zhenhappy)

Imaginem que uma pesquisa investigou como valores culturais são transmitidos nas
(Foto: Štefan Štefančík @cikstefan no unsplash) Nesta semana, a Fuvest divulgou o
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas