A Jovem Coréia


Comentei repetidas vezes aqui que admiro muito a cultura coreana. Com relação antiga e íntima com o Japão, sobretudo com províncias como a do meu avô (Fukuoka), o país levou muito da cultura clássica chinesa (e aí leia-se oriental) para o Japão. Poucos sabem, mas até o kanji foi introduzido no Japão com a ajuda de coreanos, que dominavam muito bem a técnica da escrita chinesa. Amigos coreanos que temos só aumentam minha admiração, embora eles sejam muito reservados, talvez tanto quanto os japoneses foram quando chegaram aqui. A comunidade coreana ainda mantém uma aura de mistério em comparação com as comunidades originárias de outros movimentos migratórios que ocorreram por aqui nas décadas passadas e pouco se conhece sobre sua rica cultura, hábitos e contribuição para o Brasil nestes 45 anos de imigração. Segundo uma matéria que li, "O primeiro navio que trouxe emigrantes da Coréia para São Paulo chegou em 1963, com 103 passageiros daquele país a bordo. De lá para cá a comunidade coreana cresceu – hoje reúne mais de 50 000 pessoas na capital – e apareceu."

Por tudo isso, recebi com simpatia o release do lançamento do livro A Jovem Coréia, produzido pela jornalista coreana radicada no Brasil Yoo Na Kim. O almanaque explora a cultura coreana, de uma das imigrações mais recentes no Brasil, e visa retratar a comunidade coreana como ela é, livre de estereótipos ou rótulos. O almanaque reúne também curiosidades e informações sobre o povo coreano, seus costumes e tradições, e a imigração. As fotos que ilustram o almanaque, cerca de 700, são de autoria do renomado fotógrafo Jonas Chun. Por conta das fotos e da qualidade, o livro tem preço meio salgadinho (cerca de R$ 80,00), acima do de romances, mas no padrão dos livros de cultura e fotografia.

O lançamento será no dia 6 de maio, na Livraria Cultura – Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2.07), a partir das 19h30.

O que contava o release:

Para falar dos coreanos no Brasil, é preciso entender um pouco da sua origem, por isso o livro se inicia com o capítulo A Coréia hoje, que apresenta a Coréia do Sul, com foco no seu crescimento e desenvolvimento atual. A seguir, um mergulho na história recente, com fatos e fotos sobre a imigração coreana no Brasil. A partir do terceiro capítulo, o foco é a contribuição dos imigrantes para a formação do cenário brasileiro atual. O Bom Retiro, o Brás e outros bairros são mostrados, bem como o que os coreanos fizeram para ajudar a transformá-los em pólos atacadistas. A confecção é explorada em várias páginas, assim como o mercado de tecnologia, as multinacionais coreanas, os personagens dessa comunidade que se sobressaíram em campos fora da confecção. Música, cinema, arte e muitos sabores são mostrados em textos e fotos. Um capítulo extenso traz os pratos típicos da Coréia, com receitas e curiosidades dessa culinária rica e pouco conhecida. Como todo bom almanaque, A Jovem Coréia também apresenta serviços, com endereços coreanos em São Paulo.

Sobre a autora

Yoo Na Kim, sul-coreana, chegou ao Brasil em 1988, aos 6 anos de idade. Cheia de sonhos e formada em jornalismo, sempre quis escrever um livro dinâmico que informasse todas as pessoas, sem restrição de idade ou etnia. De preferência, um material que plantasse sonhos em todas as pessoas e, especialmente, na futura geração. Quando iniciou sua pesquisa sobre a comunidade coreana no Brasil, em sua especialização em Jornalismo (PUC-SP), sentiu a necessidade de um livro sobre o tema. Pela falta de documentação e registro histórico, as páginas desse almanaque são compostas por entrevistas feitas pela própria autora, que, inclusive, foi até a Coréia para enriquecer esse trabalho.

Ficha técnica:

  • A Jovem Coréia – Um almanaque sobre uma das imigrações mais recentes do Brasil
  • Autora: Yoo Na Kim
  • Fotos: Jonas Chun
  • Editora: Ssua
  • Número de páginas: 176
  • Preço: R$ 80,00 (oitenta reais)
  • Capa: flexível – papel couché importado fosco 300 g


Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook