A história dos irmãos que se casaram sem saber ganhou o mundo

A história dos irmãos que se casaram sem saber ganhou o mundo e espero que ajude a criar uma nova regra de conduta médica, incentivando os mapeamentos genéticos.

“Por 40 anos, Adriana esperou ansiosamente pelo momento em que conheceria a mãe, Maria. Inscreveu-se então no site “Anjo dos Encontros”, tentando participar do quadro de mesmo nome transmitido diariamente pela Rádio Globo  e que promove o reencontro de pessoas com parentes e amigos com quem não têm mais contato. A emoção de falar com a mãe pela primeira vez após tanto tempo, mesmo que pelo telefone e por meio da emissora, foi grande. Mas bem maiores foram a surpresa e o susto de Adriana ao descobrir, nesta mesma conversa, que seu marido, com quem está casada há sete anos e tem uma filha de seis, na verdade é seu irmão, por parte da mesma mãe.”

Na semana passada, antes da notícia surgir, eu estava conversando com meus filhos sobre isso porque vimos uma reportagem na TV defendendo o direto ao teste de paternidade. Eu explicava que a pessoa tem o direito de saber de onde veio, quem são seus ancestrais, até mesmo por questões médicas ou sociais (e falei do caso de irmãos se casarem, vejam só).

Creio que uma alternativa seria que os casos de fertilidade assistida contem com um mapeamento de DNA, assim a pessoa teria como excluir parentesco próximo e também saber de algumas deficiências naturais congênitas.

Mas vejam, estou falando de uma questão de saúde e não de vaidade ou interesse. Nada como aquela cena Gattaca (do filme, no qual tem uma fila de mulheres no balcão de DNA tirando saliva da boca depois do primeiro encontro para saber se o homem valia a pena!) e sim mais uma ferramenta para preservar a saúde.

E por falar no exame de DNA, aqui ainda é exótico, mas no exterior é comum e a gente pode contratar por correio.

Uma empresa de genômica pessoal e biotecnologia fornece testes genéticos com rapidez para o cidadão comum, permitindo gerenciar melhor sua saúde e bem-estar, entender informações valiosas sobre você e seus ancestrais. Decidi fazer para nossa família depois que soube do resultado dos meus compadres (eles fizeram há 2 anos), pois contaram que o serviço é um show de demonstração de dados, relatórios de informações tão complexas quanto Hereditariedade Neandertal e Persistência Hereditária de Hemoglobina Fetal são apresentadas com uma linguagem muito simples, voltada a pessoas comuns com zero conhecimento de genética ou medicina.

O mais interessante, no entanto, é notar de onde viemos, o que me leva de volta ao tema do começo do texto. Saber de onde vem seu DNA – o teste permite mapear cada uma das 22 populações mundiais – e descobrir onde nossos ancestrais viviam 500 anos atrás, antes das rápidas migrações proporcionadas por grandes embarcações e aviões, é fantástico!

P.S. Sobre o casal que decidiu ficar junto mesmo depois de saberem que têm a mesma mãe, sinceramente, não sei o que dizer. Tenho muita pena e oro para que sejam felizes!

[update]
Comentário da leitora Liana Carmo que merece destaque:

Outro dia estava vendo um Law and Order e explicavam o fato de parentes de primeiro grau quando não criados juntos demonstrarem interesse amoroso/sexual caso se encontrassem na fase adulta, tem até um nome, mas esqueci. 
Depois disto vi na Discovery o caso de uma mulher que casou com o pai e agora este caso destes irmãos. O que o psiquiatra explicava no seriado é que a consanguinidade faz realmente com que tenhamos uma ligação, mas como o fator social da criação é inexiste nestes casos, quando estas pessoas se encontram entendem que aquela ligação é uma atração física. Achei bem interessante saber disto.

[/update]

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.