A emoção que não se compra: amor de filho #felizdiadasmaes

20130512-173555.jpg

Em 2012, com o então caçula no 5º ano (último do ciclo Fundamental 1), participei da festa das mães com emoção imensa, pensando que seria minha despedida destes eventos. No mês dos pais engravidei da Manu e logo estarei vivendo emocionada as festinhas de novo.

Curiosamente, já teve tempo em que eu reclamava das aulas perdidas para ensaiar, depois entendi o quanto as crianças aprendem (acerca de cultura, história e trabalho em equipe) para estes dias especiais. Neste ano, não tive apresentações nas festas de escola – pois meus meninões estão no ciclo 2 (antigo ginásio) – mas ganhei dois cartões lindos feitos em aula e eles valem mais que todas as jóias do mundo.

20130512-173640.jpg

Feliz Dia das Mães e que, como no desenho de um dos meus cartões deste ano, seus lares sejam preenchidos de amor neste domingo, exatamente como nos sentimos quando somos tocados pela maternidade – e a paternidade também, pois tem pai que é uma mãe!

Afinal, o que importa é o amor, nada mais.

“É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade.
(…)
Sem amor eu nada seria
(…)
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É um não contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.”

P.S. Chamei de “Planeta Amor” este desenho do meu querido (agora) #aos13 @enzobuzz. Obrigada, filho, por ser meu primogênito e ter me dado este título (de mãe). E neste domingo, 12/05, vamos comemorar juntos no seu aniversário de 13 anos o que é o dia no qual me tornei efetivamente mãe.

20130512-174111.jpg

(Na foto somos eu e Enzo no almoço de aniversário dele. Está um moço!)

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook