bem estar

Estou lendo, ávida e animada, com mil conjecturas na mente, o livro A Beleza Roubada – Mulher, Mídia e Consumo de Rachel Moreno (Editora Ágora , 80 págs, preço médio 25 reais). Tem sido um soco no estômago em muitos momentos, mas um “acorda menina” bem merecido (e faço uso do bordão famoso de uma apresentadora de TV a propósito).

O livro tem noite de autógrafos na Livraria Martins Fontes (Av. Paulista, 509, próximo à estação Brigadeiro do metrô), hoje a partir das 19h. Destinada a mulheres, maridos, pais e educadores, a obra alerta para os malefícios da imposição social de um padrão de beleza e ensina a reconhecer os limites dessa ditadura. Psicóloga, feminista, experiência no cuidado com a saúde integral feminina -e como ela enfatiza, além de seu tempo de vida reprodutivo), Rachel trata da possibilidade real de o excesso de vaidade se tornar um problema de saúde pública, dada a interferência da mídia, da publicidade e dos interesses do mercado na formação das crianças e adolescentes.

“O ideal de beleza cria um desejo de perfeição, introjetado e imperativo. Ansiedade, inadequação e baixa auto-estima são os primeiros efeitos colaterais desse mecanismo. Os mais complexos podem ser a bulimia e a anorexia”, afirma Rachel, lembrando que mesmo as mulheres adultas podem ter sua estabilidade emocional afetada.

Rachel Moreno é formada em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Fez especialização em Sexualidade Humana e Dinâmica do Movimento Expressivo no Instituto Sedes Sapientiae, além de ter estudado terapia corporal com J. A. Gaiarsa. Rachel tem pós-graduação em Meio Ambiente pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Trabalha com pesquisa sobre a mulher e atua no movimento feminista, no qual busca inspiração e fontes de (in)formação e ação.

Serviço:

  • Título: A beleza impossível – Mulher, mídia e consumo
  • Autora: Rachel Moreno
  • Editora: Ágora
  • Preço: R$ 25,90
  • Páginas: 80
Você pode gostar também de ler:
Porque eu sou do lar com orgulho e muito prazer. E isso não me reduz,
[TW] Palavras de baixo calão, +18 Estamos vivendo um tempo de indignação, revolta, muitos para
Em sua noite de princesa, ela dispensou o príncipe e dançou
Eu sou mulher, tenho 26 anos, nasci e fui criada na periferia de São Paulo,
"Eu não vou ao cabeleireiro porque tenho cabelo ruim", esta frase foi dita por uma
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas