Pela valorização da mulher brasileira (2)

Não li quase nada da blogagem coletiva, mas estou animada mesmo assim por ver quem está participando. Muita gente a quem linko abaixo.

Li todos os posts da Lys sobre a blogagem coletiva – “A Mulher Brasileira”, A Mulher Brasileira II e Pela Valorizacao da Mulher Brasileira – e confesso que fiquei ainda mais indignada. Hoje ela falou sobre feminismo, machismo e sexismo em A Mulher Brasileira III. Quero escrever sobre feminismo em outro momento, mas no momento vou me ater a episódio dela na Espanha, no qual homens “letrados” mostraram-se trogloditas nos comentários e piadinhas sobre as mulheres brasileiras. Será que não caminhamos nada? Parece que não.

Ainda nesta semana vi no Jornal da Globo uma notícia sobre o tráfico de mulheres. Era interessante: Um espanhol e cinco brasileiros foram presos como suspeitos de comandar um esquema de aliciamento e tráfico de mulheres em Goiás e Mato Grosso. O que me chamou atenção foi o fato de a policia, que chegou aos suspeitos graças a denúncias de familiares das “vítimas”, ter plena consciência de que as mulheres eram convidadas a fazer programa – não era aquele conto da carochinha no qual a vítima diz “fui enganada, me convidaram para ser modelo”. As mulheres eram convidadas a montar páginas pessoais no orkut, onde deveriam montar um perfil atraente e colocar fotos “sensuais” que seriam avaliadas pelo “empresário”. Sugeria-se inclusive que elas mesmas custeariam a passagem aérea, tamanho o interesse no trabalho ofertado. Diversas reportagens, a maior parte do dia 05/03, contavam que as mulheres eram atraídas com a promessa de ganhar muito dinheiro fazendo programas na Europa. Mas quando chegavam lá tinham o passaporte apreendido, e eram obrigadas a trabalhar em regime de semi-escravidão. Eu me pergunto: serão elas vítimas, se estavam plenamente conscientes de que viajariam para trabalhar no exterior como prostitutas? Concordo que os envolvidos devem ser processados por tráfico de pessoas e formação de quadrilha, sem falar no trabalho escravo, mas está certo tratá-las como vítimas inocentes desta história? Afinal, elas montaram os perfis no orkut e lá deixaram claro qual mercadoria gostariam de comercializar na Europa! Cito este caso porque notei que este tipo de atitude foi o gatilho das ações da Lys para a blogagem coletiva e para as discussões que ela e Meire resolveram colocar na roda neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Não vejo a hora de entrevista-las sobre os resultados da blogagem coletiva pela valorização da mulher brasileira.

[update] Para não me entender errado, leia também:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook