a vida quer

65.jpgLogo cedo no telejornal matinal soube do Dia do Idoso. As reportagens tradicionais citaram um detalhe que pela primeira vez soou estranho aos meus ouvidos: 65 anos. Domingo meu sogro completou esta idade e Gui falou para o pai no fone: agora você pode fazer a carteira de terceira idade, tem que usar os benefícios que tem direito.

Meu pai também é de 1942, assim como meus sogros, com quem convivo desde antes dos 50 anos e confesso que não notei uma diferença tão substancial nos três nesta década e meia. Junto com o aumento dos idosos e da expectativa de vida em nosso país, teremos que mudar nosso conceito de quem é idoso. Especialmente das mulheres, uma geração que trava a “Gray War” (do duelo ideológico travado por Anne Kreamer e Nora Ephrom), não me parece nem um pouco disposta a se ver como “velhinhas” e não tem motivos para isto. (A propósito do tema, concordo com Cynthia de Almeida e não me envergonho de dizer que já pinto o cabelo. Já pensou eu ficar grisalha aos 34?)

Descobri que o Dia Nacional do Idoso, 27 de setembro, foi estabelecido em 1999 pela Comissão de Educação do Senado Federal e serve para refletir a respeito da situação do idoso no País, seus direitos e dificuldades. Considero importante que a sociedade se volte para este tema inevitável, pois seremos idosos ativos em pouco tempo e gerações como a dos meus filhos serão centenárias, graças às novas tecnologias e novidades como células-tronco.

Sou de familia japonesa e os orientais tradicionalmente cuidam de seus ancestrais e para mim é triste e estranho ver como os ocidentais simplesmente não consideram conviver intimamente com seus idosos, mesmo eles sendo sua família. São tantas pessoas solitárias e tantos pais e mães desesperados com creches e escolas integrais, quando, me parece, a solução era uma boa e grande família.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas