5 sinais de que você é viciado em games e internet

5 sinais de que vc é viciado em internet http://bit.ly/5sinais

Quando estava na faculdade fiz uma disciplina optativa chamada Psicologia Social. Foi muito interessante porque, além do conceito mais ligado à sociologia, que eu gosto, tivemos um professor que concluia naquela época o doutorado em Adicção (“drogadicção”) na Universidade de Sourbonne, na França. Foi aí que toda conceituação do termo – que se refere à escravidão e dependência de algo – passou a fazer parte das minhas reflexões sociais.

Lembrei destas reflexões quando vi uma notícia sobre o tratamento com viciados em internet e em games na Coreia do Sul. Lá cerca de 8% da população entre 9 e 39 anos é viciada em internet ou games, segundo dados oficiais de 2010. A reportagem mostrava um hospital no qual são tratados os pacientes que sofrem de “internet or gamming adiction” (vício em internet ou jogos) e mostra que definir esta turma como “viciado” não é exagero! O comportamento e as técnicas usadas para tratar essas pessoas são muito similares aos de casos de dependentes do álcool e de outras drogas.

Vale a pena observar na lista abaixo os 5 sinais que mostram que o comportamento é de viciados em games e internet:

1) Rotina desregulada: sem se dar conta do horário fora do padrão biológico saudável, a pessoa, por exemplo, passa a madrugada inteira jogando e dorme durante toda a tarde
2) Abandono de responsabilidades: para ter mais tempo para gastar na frente do computador, a pessoa deixa de ir trabalhar ou falta às aulas
3) Tempo de uso crescente: normalmente começamos a jogar poucos minutos, mas para os viciados poucas horas de jogo já não satisfazem, a pessoa precisa passar cada vez mais tempo no mundo virtual
4) Síndrome de abstinência: é um sinal de dependência. Quando é obrigada a se “desconectar”, a pessoa perde a paciência facilmente ou fica excessivamente ansiosa
5) Necessidade descontrolada: com o tempo, a pessoa tem uma forte necessidade de jogar (ou navegar na rede), muito mais forte do que seria normal.

Confesso que me identifiquei com alguns dos itens, talvez você tenha sentido o mesmo! Vale para pais e filhos se observarem mutuamente e cuidarem uns dos outros, evitando que a vida virtual “roube” tempo da vida real e distancie as pessoas, né?

P.S. E para quem quer ir além, vale ver o vídeo (em inglês) com a reportagem:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook