100 anos de Adoniran Barbosa e o sotaque da Mooca

Demônios com Adoniran

Nesta semana uma mooquense da minha timeline do Twitter me indicou uma reportagem que fazia homenagem ao centenário de Adoniran Barbosa e, ao mesmo tempo, falava da Mooca e da preservação do sotaque paulista “traduzido” por Adoniran em sambas como “Saudosa Maloca”, “Samba do Arnesto” e “Iracema”.

Filho de imigrantes, Adoniran (na verdade João Rubinato, nascido em Valinhos, no interior de São Paulo, no dia 6 de agosto de 1910) “inventou o samba paulistano ao misturar, sem perder o ritmo, os sotaques italiano e paulista, típico do bairro do Bixiga, na capital, para produzir uma das mais originais obras da música popular brasileiro. A música “Tiro ao Álvaro”, gravada por Elis Regina, é um exemplo dessa fusão”.

Várias homenagens foram prestadas ao compositor neste ano, sendo a minha preferida a que levou suas músicas e seu universo do Trem das Onze (100 Anos de Adoniran Barbosa) à #viradacultural (neste post incorporei vídeos das músicas e entrevistas com ele e com Demônios da Garoa).

Ela é lembrada no vídeo abaixo, que descobri num tuite de @lidifaria:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook